Amadora safada goza mijando no consolo

33 seg

Categoria:

Tag: , , ,

visualizações

33 seg

Categoria:

Tag: , , ,

Amadora safada goza mijando no consolo

Amadora safada goza mijando no consolo

Bom primeiro vez q nós dois gozamos juntos e tivemos a primeira vez de se tocado um a outro. Novamente ele quis gozar na minha boca e toda submissa e bem sensual sussurrei:rn-quer gozar na boquinha…da sua putinha…né…seu safado…goza…enche minha boca de leitinho…tarado…goza gostoso…sua nora querida…agora é sua escrava sexual…é disso que vc gosta…seu tarado pauzudo! Goza!rnEle deu um urro e novamente gozou abundantemente enchendo minha boca. "Noooosaaaaa!!Isso tudo tava dentro do teu cú Tavinho?"Ao ouvir isso, meu rabo se abriu e deixou correr pela cama, toda a cerveja que estava dentro de mim, ao mesmo tempo que eu gozava pelo rabo, quase me mijando pelo pinto. – Pra mim, tio? Que bacana, o que é?– Vem comigo. rn-seu safado…vc não tem dá do teu filho não…ele trabalhando…e a gente colocando chifres no coitado!.

Ao voltar, minhas tias vendo que eu ainda continuava sozinho, me perguntaram como tinha sido nossa experiência. Foi então que Julia confessou ainda ser virgem, que até então chegou fazer boquete em alguns meninos, mas não passou daquilo, não acreditei muito, afinal ela tinha muito jeito e cara de safada.

– Não sei… só fui penetrada por consolos e objetos… Não sei como é ter um macho de verdade.

Eu e ela fomos no meu carro até o estacionamento do meu trabalho e ele foi atrás vendo nossos beijos pelo caminho, ao entrar no carro dele eu fui no banco de trás e eles na frente, após nos afastarmos um pouco chamei ela pro banco de trás e começamos uns amasos deliciosos com beijos e muitas caricias. Com total decisão do que queria, ela se levantou e foi tirando a blusa, tirou minha bermuda e minha cueca (em algum momento que eu nem sei direito minha camisa e meu juízo já tinha saído de mim), e já abaixou para me chupar.

“Dani, precisei sair para resolver algumas coisas, se eu não voltar até o jantar, tem comida pronta na geladeira, te amo”. -Sério? Disse minha mãe.